Cigarro: Fique longe desse vilão

Entrevista

Cigarro: fique longe desse vilão

O cigarro causa vários prejuízos ao sistema nervoso central. Fator de risco para várias doenças neurológicas, o tabagismo diminui em média 10 anos da expectativa de vida de uma pessoa. Saiba mais sobre o assunto conferindo a entrevista concedida pelo o Dr. Feres Chaddad.

  • Como o cigarro impacta o sistema nervoso central?

Dr. Feres Chaddad: O cigarro promove uma série de eventos adversos no corpo, e o sistema nervoso central não está imune a esses danos. Vários estudos demonstraram que o tabagismo promove uma mudança nas paredes dos vasos sanguíneos do cérebro, assim como propicia o desenvolvimento de processos inflamatórios no sistema nervoso.

  • Esses danos são reversíveis? Em que condições eles se tornam irreversíveis?

Os danos são parcialmente reversíveis quando o tabagismo é interrompido. Mas em algumas condições eles se tornam irreversíveis, como após um evento de acidente vascular cerebral (AVC) ou de sangramento do aneurisma cerebral. Ambos podem ser entendidos como consequências graves e, muitas vezes, irreversíveis do hábito de fumar.

  • Quais são as principais doenças neurológicas associadas ao cigarro?

As principais doenças associadas ao cigarro estão relacionadas a eventos vasculares, condição muito parecida com a do infarto cardíaco. A diferença é que os eventos ocorrem nos vasos sanguíneos cerebrais, que suportam menos danos que os vasos do coração. Dentre as doenças mais relevantes estão o acidente vascular cerebral (AVC) e os aneurismas.

  • Qual a relação do cigarro com a malformação arteriovenosa cerebral (MAV), aneurisma cerebral, tumores e acidente vascular cerebral (AVC)? Como ele influência o mecanismo de cada doença.

O cigarro fragiliza as paredes dos vasos sanguíneos, sendo um fator importante para o aneurisma cerebral e o acidente vascular cerebral (AVC). Ele também interfere na frequência cardíaca e pressão arterial. O aumento constante da pressão pode provocar rompimento das MAVs, dos aneurismas ou desencadear o AVC hemorrágico. Em relação aos tumores metastáticos provenientes de outras partes do corpo que atingem o cérebro, muitos estão associados ao tabagismo, como o câncer de pulmão.

  • O hábito de fumar continua sendo um risco depois que doenças como malformação arteriovenosa cerebral (MAV), aneurisma e tumores e acidente vascular cerebral (AVC) foram tratadas? Existem casos de recidivas associadas à persistência do tabagismo?

O tabagismo é sempre um risco. Vários estudos científicos destacam que as complicações pós-operatórias dos tabagistas ativos são bem mais graves do que dos pacientes não tabagistas. A persistência do fumo eterniza os fatores de risco para diversas doenças.

  • Outras formas de fumo (charuto, cachimbo, cigarro de palha) são tão perigosas como o cigarro?

O consumo de qualquer forma de fumo é prejudicial à saúde. Em alguns casos, o prejuízo pode ser mais localizado, como no consumo de tabaco não inalante. Contudo, ele pode produzir danos na mucosa oral, um fator de risco para o câncer de boca.

Download da matéria
TOP